Thursday, 31 January 2008

O aterramento

chão. penso chão
mãos escorrendo pelo lençol branco, de manchas vermelhas
chão. penso chão
onde é que você estava?
meus olhos arregalam
olhos que olham para três direções diferentes
atenta
chão, penso chão
a emoção vem com tudo
e eu deixo fluir, sair, sorrir
tudo me faz lembrar que...
chão, penso chão.
onde você está
não me deixe mais calar.

1 comment:

  1. Niña Deborita,
    seus textos são uma graça, sempre. Eles têm mais do que um frescor, coisa toda tua, eles têm um pulsar suave, algo cruel às vezes, algo sutil, inesperado. Mas nunca insólito. Você está ali, em cada sílaba, pequena. Já te ouço dizer em alto e bom som "te quiero, mujer de una vida entera". Frase que vira poesia contigo.
    Um beijo, querida, para usted.
    Sempre.

    ReplyDelete