Thursday, 29 April 2010

depois de um tempo.

Depois de um tempo você aprende
a sutil diferença entre
segurar uma mão e acorrentar uma alma
e você aprende
que amar não significa apoiar-se
e companhia não quer sempre dizer segurança
e você começa a aprender
que beijos não são contratos
e presentes não são promessas
e você começa a aceitar suas derrotas
com sua cabeça erguida e seus olhos adiante
com a graça de uma mulher, não a tristeza de uma criança
e você aprende
a construir todas as estradas hoje
porque o terreno de amanhã é
demasiado incerto para planos
e futuros têm o hábito de cair
no meio do vôo
Depois de um tempo você aprende
que até mesmo a luz do sol queima
se você a tiver demais
então você planta seu próprio jardim
e enfeita sua própria alma
ao invés de esperar que alguém lhe traga flores
E você aprende que você realmente pode resistir
você realmente é forte
você realmente tem valor
e você aprende
e você aprende
com cada adeus, você aprende.

(veronica shoffstall)

Monday, 26 April 2010

anjo caído
de olhos cor de mel
anjo exposto
seu fel
seu fel
seu fel
anjo.
que suas asas protegidas
sejam os céus
de quem não vê
o azul de um céu azul anil
anjo caído.
não perca o brilho
de um olhar puro e simples
como de uma criança
caída num berço
de mel
mel
mel.
anjo caído
me prometa os céus
lábios de perdição
anjo.
anjo.
anjo.
jamais me deixe cair novamente.
oh, anjo.


















crédito foto: luhcamargo.com.br

Sunday, 18 April 2010

hemos perdido aun...

Hemos perdido aun este crepúsculo.
Nadie nos vio esta tarde con las manos unidas,
mientras la noche azul caia sobre el mundo.

He visto desde mi ventana
la fiesta del poniente en los cerros lejanos.

A veces como una moneda
se encendía un pedazo de sol entre mis manos.

Yo te recordaba con el alma apretada
de esa tristeza que tú me conoces.

?Entonces, dónde estabas?
?Entre qué gentes?
?Diciendo qué palabras?
? Por qué se me vendrá todo el amor de golpe
cuando me siento triste, y te siento lejana?

Cayó el libro que siempre se toma en el crepúsculo,
y como un perro herido rodó a mis pies mi capa.

Siempre, siempre te alejas en las tardes
hacia donde el crepúsculo corre borrando estatuas.

(neruda)

Saturday, 17 April 2010

"O correr da vida embrulha tudo.
A vida é assim: esquenta e esfria, aperta
e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta.
O que ela quer da gente é coragem."

(guimarães rosa)

Tuesday, 13 April 2010

sergio m.

meu colega de praça e de poesia, sergio mello.
sem comentários, como sempre.
o cara "é treta" (como diz uma amiga minha).
o tipo de arte que não veio ao mundo a passeio:

há sempre alguém tentando começar do zero
arremessando porta-retratos no incinerador
velando sacos de lixo
e empatando a foda dos gatos
caminhando depois das 3
só com a identidade no bolso do pijama...

(sergio mello)


ps. recomendo totalmente o livro de poesias dele,
'no banheiro um espelho trincado'.

Monday, 12 April 2010

a vida é dura.

o humor anda tipo o do lourenço do 'o cheiro do ralo'.

é?
sai daqui.
e daí?
foda-se.
sei...
tchau.
não quero saber.
não me interessa.
não.

é.

a vida é dura.

Thursday, 8 April 2010

caotic.

eu simplesmente amo o caos e o inconformismo que a música gera.

tome essa:

Sunday, 4 April 2010

lascívia.

- Eu chamo todo mundo de 'amor'. Não é privilégio seu.
- Mas eu acho que...
- Não ache. O mal do século 21 é o 'achismo', o excesso de opinião.
E na mesa da frente o cara falava para a namorada:
- Olha só, vamos ver, Jesus fez o que... por que a Bíblia mudou? Mudou porque simplesmente ela...
E foi nessa hora que - com as unhas bem feitas e as mãos delicadas - ela se desligou completamente da conversa com seu parceiro, pegou duas batatinhas e colocou na boca, olhando para esse cara da Bíblia bem no fundo de seus olhos. Chupou o dedo indicador da base até a ponta.
Seu olhar não desviava do dele por um segundo sequer.
Seus olhos ajudam - tem sombrancelhas grossas e um olhar profundo, forte e cortante como a pior das navalhas.
Olhos de lince que só ela sabe fazer.
Ele sorriu. Ela não achou a menor graça.
Continuava olhando e lambendo os dedos como se desafiasse ele,
o lugar, as pessoas... o mundo.
Entrou no carro e, subindo a avenida principal, ela olhou pra frente e
respirou fundo. Bem fundo.