Monday, 30 January 2012

a noite não é para principiantes.

você sabe que está na hora de ir embora quando enfia seu carro numa rua sem saída e chama isso de 'nossa, que bad trip'. mas a história do sinhô 'joana a contragosto' ainda martela na sua cabeça.
troca o real pelo virtual e você percebe que não está no melhor dos mundos.
os desenhos da mesa do bar te distraem e você pensa que é questão de tempo para aquele desgraçado que assina com o apelido chegar com mel e fel, direto para você.
o problema é que estamos em uma daquelas noites que não são para amadores e adoradores de 'cenas doriana' de seriado americano. estamos em noite para iniciados, onde nada será rosa como pensas por um segundo de respiro e ninguém 'legal demais' virá te salvar. noite que te corta como gente grande, que te olha como puta de esquina e que te quer como virgem marilyn monroe. a vida não foi nada fácil para ela, sabe? gostosura tem preço. gostosura com inteligência, mais ainda.
você se olha no espelho quebrado e vê o quão ridículo é discutir por assuntos que sua alma e esperteza sabem que é coisa fácil, coisa pouca, coisa pequena. a vontade de rir em forma de orgasmo é enorme,
tamanha idiotice o cara explode, a amiga fala, o ser humano vomita.
huguinho, zezinho e luizinho te acompanharam esta noite. huguinho falou de suas poses, de seus amigos de papel e suas virtudes. zezinho, de seus tormentos e tristezas. luizinho te ofereceu drogas. e você aproveitou cada um dos três para rir bem alto na cara deles. rir que chegava a cuspir saliva. rir de ódio. rir de pena. rir de saber que sabes mais do que qualquer porquinho da história infantil e sofres mais do que qualquel medéia de teatro grego.
você sabe que está na hora de ir para casa quando huguinho resolve roubar as drogas de luizinho e sugere uma orgia organizada. nada é bem visto de uma pessoa que te oferece uma 'orgia organizada'.
orgias são descontroladas e sujas. as coisas são como elas são. não tente me vender o contrário.
não diga que é X, quando sei que de sua alma e mente só sai Y.
as coisas são como elas são. a noite se esvai como pó. de mesa. que fique claro. pó de mudança.
você sabe que é hora de ir para casa quando os três porquinhos te oferecem um abraço.
nunca acreditei em histórias infantis, otário.


Tuesday, 10 January 2012

Friday, 6 January 2012

mar.

eram 7 da noite e seu canto preferido da praia já escurecia.
a moça. o surfista. a pedante. a criança. o pai. a pedra. o mentiroso.
eram 7 da noite e lembrou que o dia seguinte era o último dia do ano.
a viagem. o amigo. o ex. a índia. o iludido. a estrela. o mar. a mãe. o egoísta.
eram 7 da noite e começou a fazer da areia, calma e silêncio com as mãos.
o talento. a sina. a glória. o medo. a santa. a prancha. o buraco. o caos.
eram 7 da noite e as ondas cresciam em fúria, misturadas ao rosa do céu.
a casa. a hipocrisia. o branco. a lembrança. o imponderável. o sexo. o amor.
eram 7 da noite e cravou seus pés no canto de lua nova.
o pretencioso. a puta. a palavra. o pranto. a leveza. o som. a flor.
eram 7 da noite e seu canto preferido da praia já escurecia.
eram 7 da noite e ela continuava a se perguntar:
quem sou eu, quem sou eu, quem sou eu.




caos.paz.

tem duas aranhas na minha sala. a xica e a mariazinha.
ao invés de gritar ou matá-las, resolvi dar um nome pra elas. resolvi trazer o que me incomoda pra perto e 
transformar o que me incomoda em algo que eu consiga ver todo dia e tudo bem.
tenho que aprender a conviver com o caos.
começo até a me afeiçoar pelas duas. boa noite, xica. oi, mariazinha.
ontem cheguei em casa e fui cumprimentar. sumiram.
perguntei pelas duas e fui avisada: "ah, a lurdes limpou tudo! deus me livre, tava cheio de teia."
chorei aranhas.